sábado, agosto 20, 2005

Entretanto o idiota do ministro quer criar um cluster de Energia Éolica.

Já nem para a energia renovável, onde temos vantagem comparativa vamos a tempo...

What will sprout on Stirling Energy's 4,500-acre desert farm? Thousands of giant dish-shaped mirrors. Each 37-foot-diameter dish will track the sun and focus its heat rays on an oil-barrel-size contraption suspended in front, like the antenna on a satellite-TV dish. Inside the barrel, the heat will be harnessed to drive a small, 25-kilowatt power generator. If local power lines can be upgraded to handle even more juice, Stirling Energy could enlarge its farm to 850 MW, and SoCal Edison would take all of that, too.

"HEAT ANTENNAS." The deal could rake in upwards of $90 million a year for Stirling Energy, once the solar dishes are generating 500 MW. For SoCal Edison, already the largest U.S. purchaser of renewable energy, the 500-MW facility will more than double the 354 MW of solar power it tapped in 2004 -- and add almost 20% to its total of 2,588 MW of renewable energy sources, including 1,021 MW of wind power. In 2004, more than 18% of the electricity that the utility delivered to its customers came from renewable sources.

Monster "heat antennas" are not what usually spring to mind when solar power is mentioned. People tend to equate solar power with flat solar cells that turn the sun's light into electricity. But solar cells don't produce power as efficiently as Stirling dishes. Most solar-cell panels harvest only 10% to 15% of the sun's energy, although 20% efficiency has been achieved with new technology developed by HelioVolt and SunPower.

HelioVolt, an Austin (Tex.) startup, makes coatings that can be applied to ordinary roofing and siding materials, transforming a building's exterior into a solar generator. SunPower, based in Sunnyvale, Calif., was acquired by chipmaker Cypress Semiconductor (CY ) in 2002 and is a major supplier of silicon solar cells for Germany's Solarpark Gut Erlasse.

SUNNY OPTIMISM. For years, Stirling dishes have been roughly twice as efficient as the best solar cells, even before Stirling Energy took over the technology in 1996. Today, a Stirling dish converts 29.4% of the sun's energy into electricity, according to tests by Sandia National Laboratories at a six-dish operation in Albuquerque.

"Later this year we'll do even better," declares D. Bruce Osborn, Stirling Energy's new CEO and longtime solar-power proponent. He won't predict by how much better, though.

Why hasn't Stirling Energy's technology made more of a splash in the power business? The answer: It's too expensive. "Our dilemma has always been how to get costs down," says Osborn. The dish generators are costly beasts -- $250,000 each. But that's because most have been hand-crafted in sporadic lots of one or two units. Building a group of 40 or 50 would trim the cost to $150,000 apiece, Osborn says, and the company has estimated that mass production could slash dish costs to $80,000, or perhaps just $50,000.

PEAK LOADS, PEAK POWER. When SoCal Edison said it wanted to buy more renewable energy, Osborn's outfit proposed the 500-MW project as the means of solving its chicken-or-egg impasse. Producing that much electricity will require 20,000 Stirling dishes, built in a steady flow over several years. "We're in the process of ramping up production now," says Osborn.

He expects to have 40 dishes in place for a 1-MW facility by the end of next year, 50 MW in 2008, and all 500 MW by 2011. As each new dish is installed, SoCal Edison will get another 25 KW. The electricity will be delivered only when the sun is shining, but that's when the utility's customers place peak demands on electricity. "Our system is a really good match, providing peak power at times of peak load," notes Osborn.

The 20-year purchase agreement from SoCal Edison is important because Stirling Energy figures it will take about 15 years for investors in the solar farm to recoup their money, assuming sales in the range of 6 cents to 8 cents per kilowatt-hour (kWh). Peak power usually commands higher prices, though. Once the hardware has been amortized, the dishes promise to mint money, producing peak power for 10 additional years at a cost of a penny per kWh.

APPROVAL LIKELY. The actual price that SoCal Edison will pay is confidential -- and must be approved by the California Public Utilities Commission. But there's little doubt that the contract will get a thumbs-up, perhaps as soon as next month. One reason: At the end of February, California Governor Arnold Schwarzenegger called for an eightfold boost in the state's solar power, to 3,000 MW, by 2018.

Sacramento is willing to subsidize new solar projects, but SoCal Edison says the price it negotiated with Stirling Energy is so attractive -- "well below the 11.33 cents per kWh" it now pays for peak power -- that it won't seek any state subsidies. That seems certain to cement approval.

Ironically, SoCal Edison sold the dish-generator technology to Stirling Energy founder David Slawson in 1996, after California's regulators told the utility to stop passing on its research and development costs to customers. Before that, SoCal Edison picked up the technology from McDonnell Douglas, which developed the solar generators with Sweden's Kockums and the U.S. Energy Dept. in the 1980s. All told, $400 million was plowed into the dish generators.

LONG HISTORY. However, the concept dates back even farther. It originated in the late 1970s at Ford's (F ) former Aeronutronic Division. In another twist of fate, that's where Osborn, now 50, got his first job.

"It seems like I've been doing solar energy most of my life," says Osborn. Then a youngster fresh from college, he was the engineering team member tagged to work late into the night, analyzing various solar-energy systems. "The Stirling-dish approach always came out as the best," he recalls.

Ford never built an actual dish generator, however. Soon, though, Osborn will begin closing the circle he started tracing almost 30 years ago. But, he quips, "we won't build a Maserati -- we need to build lots of Fords."

quinta-feira, agosto 18, 2005

Excerto da entrevista de Salman Rushdie à Reason
Reason: Do you think freedom of speech is threatened by cultural relativism—by the idea that principles like free expression are not universal truths but simply local cultural constructs?
Rushdie: The idea of universal rights—the idea of rights that are universal to all people because they correspond to our natures as human beings, not to where we live or what our cultural background is—is an incredibly important one. This belief is being challenged by apostles of cultural relativism who refuse to accept that such rights exist. If you look at those who employ this idea, it turns out to be Robert Mugabe, the leaders of China, the leaders of Singapore, the Taliban, Ayatollah Khomeini. It is a dangerous belief that everything is relative and therefore these people should be allowed to kill because it’s their culture to kill.
I think we live in a bad age for the free speech argument. Many of us have internalized the censorship argument, which is that it is better to shut people up than to let them say things that we don’t like. This is a dangerous slippery slope, because people of good intentions and high principles can see censorship as a way of advancing their cause and not as a terrible mistake. Yet bad ideas don’t cease to exist by not being expressed. They fester and become more powerful

sexta-feira, agosto 05, 2005

O difícil balanço da reforma da contabilidade. (artigo da Economist)

IT IS corporate earnings season once again, and investors are poring over the numbers. This week, Sprint, an American telecoms firm, announced net profits more than twice as high as a year ago. Amazon, an internet retailer, revealed net income that had fallen by 32%, due, the firm said, to tax issues. The shares of both companies rose. Should they have done?
Profits figures are meant to shed light on how a company—and its stock price—might fare in the future. But many experts worry that increasingly they don't. The scandals at Enron and WorldCom—as well as more recent accounting snafus at General Electric and a big scam at AIG—show that accounting numbers are malleable. And they are getting squishier as the use of estimates in company accounts increases.
Whether this malleability is a problem is the subject of heated debate and carries with it important consequences. Reliable numbers mean that investors can make sound decisions. Bad ones lead not just to the inefficient allocation of capital but also to a loss of confidence in the markets and, when fraud is involved, to huge shareholder losses. A study by Glass Lewis, a research outfit, found that investors lost well over $900 billion in 30 big scams between 1997 and 2004.
Ever since accounting shifted from the simple tallying of cash in and cash out to “accrual accounting”, where profits and expenses are booked when incurred, forward-looking estimates have played a critical role in measuring company profits. This role has grown as “knowledge-based” economies have begun to replace the old widget-making versions, and businesses have become more complex.
The biggest boost to estimation, however, has come from the gradual shift to “fair-value” accounting. Before, assets and liabilities were mostly carried at their historic, original cost; “fair value” is an attempt to show their current worth. Fair-value numbers are up-to-date and arguably more relevant than their static but verifiable precursors. But they also result in more volatile profits and a heavier reliance on estimates for the many items (bank loans, buildings) that may not have a ready market.
Standard-setters on both sides of the Atlantic have been urging this shift. In June America's Securities and Exchange Commission, in a long-awaited report commissioned by Congress after the Enron scandal, also endorsed fair-value accounting, which it thinks will simplify accounts and reduce firms' interest in structuring transactions to meet accounting goals.
Others are less sanguine. Even with the best will in the world, estimates can be wildly off the mark. And they are easy to manipulate. In a recent study, Daniel Bergstresser and Mihir Desai of Harvard Business School and Joshua Rauh of the University of Chicago's Graduate School of Business found ample evidence of tinkering. At delicate moments—before acquisitions and equity offerings and exercising stock options, for example—some bosses inflated the assumed rate of return on pension-fund assets, thus flattering profits.
Baruch Lev of New York University's Stern School of Business, and Siyi Li and Theodore Sougiannis, from the University of Illinois at Urbana-Champaign, harbour a deeper worry: that estimates, which are supposed to improve the relevance of financial information by giving managers a means to impart their forward-looking views (on how many customers might return their new cars, for instance), are not very useful at all. That is, they do not really help investors to predict a company's future earnings and cashflows.
The three analysed 3,500-4,500 companies a year from 1988 to 2002. They then tried to “predict” future performance (earnings or cashflow) with five models in which historic cashflows and estimates were used to different degrees. The trio found that cashflows predicted future performance robustly, but adding estimates to them was little help in predicting future performance, or in generating returns from portfolios based on these predictions. It was a “sobering result”, they concluded.
Mr Lev blames this on the difficulty of making good estimates in a fast-changing, complex world as well as on a degree of earnings manipulation. “This is not to say we should toss the accounting system, which is overwhelmingly based on estimates, into the waste bin,” he says, “but it does point to the urgent need to enhance the reliability of accounting estimates—especially given the move to fair value.”
On this point, even proponents of fair value agree. The Financial Standards Accounting Board (FASB), America's standard-setter, is planning to release guidance on how to apply fair value later this year. It has devised a “hierarchy” of items according to how hard they are to value. At the top are items that have an observable price in a deep, liquid market (eg, listed corporate debt). In the middle are items where sophisticated valuation models are based on market inputs (eg, employee stock options). At the bottom are items where valuations are based wholly on management projections (eg, Enron's most esoteric financial instruments).
It is the lower end of the hierarchy that causes concern. “At this level, there is the risk that models can be used with prejudice,” says David Bianco of UBS, a Swiss bank. Regulators, too, are worried. Research by the Federal Reserve shows that the fair value of bank loans can swing widely depending on inputs and methodology. Market values for lower-rated corporate bonds, one possible benchmark, can vary by as much as 2-5%, giving managers leeway to fiddle with numbers.
The objective is objectivity
“Estimates are part of accounting. So the focus shouldn't be on the number of estimates,” argues Neri Bukspan, chief accountant at Standard & Poor's, a ratings agency, “but rather the objectivity and independence of those making the estimates and those tasked with verifying them.” This puts a greater onus on auditors to weed out good estimates from hyped ones—making their independence even more critical than it seemed after Enron. The Public Accounting Oversight Board, recognising this, also plans to expand its audit guidance on fair value.
Investors need to scrutinise the numbers harder, too. Better disclosure would help them. Mr Lev suggests that firms should say how much of key reported figures is based on facts (eg, revenues in the bag) and how much on estimates—a proposal that companies claim would tip their hand to competitors. But both FASB and its international counterpart are drafting standards requiring increased disclosure of how fair values are derived and their impact on profits and balance sheets.
Mr Lev has a more ambitious proposal. This entails forcing management to periodically “true up”—that is, disclose how their previous estimates have panned out. He argues that this would inject discipline into the system, allowing investors to penalise companies that consistently make bad estimates. Lynn Turner, a former chief accountant at the SEC, agrees. “Markets can't discipline without transparency.” Defenders of fair value say that this is confusing and unnecessary. A change in estimated value could be due to changing market conditions, not to a bad estimate. And fair-value accounting itself, some argue, is a constant “true up”. But then, there's “true” and true

domingo, julho 31, 2005

A curva de Laffer
Perante o manifesto e descuidado uso dos nossos impostos, cujas taxas são cada vez maiores, uma solução para mostrar aos nossos governantes que não nos dispomos a financiar mais desperdício, é pôr a Curva de Laffer a funcionar. Desta forma, com mais subida das taxas de imposto o nível de Imposto arrecadado descerá. É um paliativo para o problema mais duro (a tendência do Estado para se toornar cada vez maior), mas por enquanto deverá servir:
Por isso se tem amor à pátria, recomendo: Grandes fins-de semana em Espanha com majestosos repastos e abastecimento de depósito de carro e despensa lá de casa. Se o estimado leitor (caso eu ainda tenha algum) tiver mais alguma ideia é favor de deixar comentário. Claro que a fuga aos impostos, também foi contemplada nas minha cogitações, mas não tive coragem de a propôr.
A bandalheira
Escrevo estas palavras em tom de desabafo.
Estou verdadeiramente estupefacto com as acções do ministro das Obras Públicas, que veio a público acusar a Metro do Porto S.A de grandes derrapagens n obras do Metro. A ideia que eu tenho da Metro do Porto é a de uma sociedade bem gerida, cujos projectos são seguidos conforme o planeado e estudado. Sem saber muito bem do que estou a falar também digo que me parece um projecto com valor acrescentado. Ora bem o mesmo Sr., que vem fazer críticas ao Norte quer lançar duas obras com o quíntuplo do custo do metro do Porto, para as quais ninguém viu um único estudo.
É fazer por fazer... qual vai ser o resultado? Vou lembrar dois projectos emblemáticos do anterior Governo Socialista. Metro na Baixa de Lisboa, Remodelação da linha Ferroviária Lisboa-Porto. Resultado: milhões dos contribuintes para o tecto.

sábado, julho 23, 2005

Quando vi no Insurgente, que já se fala na alienação de património público, lembrei-me que..

Se uma empresa tiver activos não utilizados ou mal geridos, o gestor da mesma tem o seu lugar em perigo.
Quer porque os accionistas acharão que o gestor não estaria a maximizar o valor do seu capital e mais cedo ou mais tarde porão lá alguém que aliene as partes de capital mal geridas e lhes entregue o dinheiro, quer porque outra empresa se aperceba da oportunidade de uma aquisição hostil criadora de valor, que terá como pressuposto a modificação do conselho de administração. A empresa adquirente comprará a empresa porque acha que com um novo "board" consegue melhores resultados por acção. Uma das tácticas para se evitar uma OPA hostil é precisamente o spin-off, carve-out ou simples alienação dos activos mal gerido ou não utilizados

Exemplos recentes: Carly Fiorino - HP - Várias unidades do conglomerado não estavam a ser rentabilizadas
Aquisição do Lloyds TSB pelo Santander - Lloyds TSB era mal gerido, Santander comprou-o na expectativa de introduzir mais tecnologia de informação (melhor gestão pela variação nas proprorções relativas de inputs utilizados) que permita poupanças de custo

Quando o Estado tenta alienar património não usado (Terrenos) ou mal gerido (empresas públicas, com honrosas excepções) as leis económicas e das finanças deixam de se aplicar. Se o Governo tentar vender um pedaço de mato para contrução, corre o risco de ser posto a andar... porque está a alienar o bem comum, porque está impedir a boa organização e ordenamento do território (já agora onde está o ordenamento do território? em Albufeira? Braga? na Costa?). Se tentar vender empresas públicas mal geridas, Ai que d'El rei porque se está a vender aos espanhóis os centros de decisão nacional, que nao é mais que o eufemismo nacional para os tachos de uns quantos senhores que estão instalados na roda do poder.

É pena que ninguém tente incutir um bocado de cultura económica nos media portugueses que são dominados pelas tretas dos Louçãs, Dragos e companhia.

segunda-feira, julho 18, 2005

Who wants to retire?

Dei de caras com uma sondagem engraçada na Business Week. A pergunta era qual a idade ideal de reforma? Entre os vários escalões etários possíveis para resposta, o mais votado era: Who wants to retire?
Eu sei que a Business Week é uma revista de especialidade, cujo target são empresários, ou jovens executivos, que porventura terão uma maior predisposição a responder desta forma. Contudo gostaria de investigar a seguinte pergunta: Tais respostas, não serão também fruto de um "American bias" nas preferências lazer-trabalho? (em favor do trabalho, claro está).

quarta-feira, julho 13, 2005

Curva de aprendizagem
Lê-se na Economist a propósito do mercado de produção de aviões comerciais:
"Once production starts, th learning curve is steep and difficult. Each doubling of production generally yields a cut of one-fifth in unit cost per plane. Consequently it takes production of about 500-600 aircraft before a model starts to earn a profit."
Ouve-se que o Estado chinês estará interessado em entrar nesta indústria. Se o fizerem com convicção nada os deterá visto que parecem ter capacidade para subsidiar a indústria pelo tempo indeterminado que for necessário. A pergunta é como ficará este mercado com três grandes players? Acho que um terá que sair. Parece que o mercado mal aguenta dois!... Que Estado cederá? Ou irão todos os contribuintes destas áreas ter que aumentar as su contribuições para uma indústria cada vez mais ineficiente?

sábado, junho 18, 2005

Ainda sobre o artigo da Economist...

As taxas de juro espectacularmente baixas dos USA, criaram uma bolha especulativa de grande dimensão no mercado imobiliário Americano. Era de prever. Com os índices de inflação Americanos em míveis sustentados, tanta liquidez injectada tinha que ir ter parado a algum lugar. Da última vez, foi criar uma bolha nos mercados financeiros, desta vez a Economist volta a anunciar o princípio do fim. Que bolha é que vão inventar a seguir para segurar a Economia?

E a Europa? Os taxas de juro reais no Mercado Interbancário estão em aproximadamente 0% há mais de dois anos. Para onde estará a ir toda a liquidez que o BCE tem injectado?
Artigo sobre a bolha especulativa no mercado da habitação na "Economist"

The Fed frets
The lesson from recent experience in Australia, Britain and the Netherlands is that, contrary to conventional wisdom, a big rise in interest rates is not necessary to make house prices falter. This is bad news for America. Even if prices there initially just flatten rather than fall, this will hurt consumer spending as the impulse to borrow against capital gains disappears. It is by encouraging such borrowing that rising house prices have given a bigger boost to America's economy than elsewhere. Two-fifths of all American jobs created since 2001 have been in housing-related sectors such as construction, real-estate lending and broking. If house prices actually fall, this boost will turn into a substantial drag.
No wonder that the Federal Reserve is starting, belatedly, to fret about house prices. By holding interest rates low for so long after equities crashed, the Fed helped to inflate house prices. This prevented a deep recession, but it may have merely delayed the needed economic adjustments. Ideally, the Fed should have tried to cool the housing boom by raising interest rates sooner and by giving clear verbal warnings to buyers, as Britain's and Australia's central banks have done. Even now some stern words from Alan Greenspan, the Fed's chairman, could restrain more house-price inflation.
Of course, by the time American prices begin to fall, probably sometime next year, they will not be Mr Greenspan's headache. He will have retired and someone else will be in his job. If weaker house prices push the economy towards recession, the awkward truth is that America's policymakers will have much less room to manoeuvre than they did after the stockmarket bubble burst. Short-term interest rates of only 3% leave less scope for cuts. In 2000, America had a budget surplus. Today it has a large deficit, ruling out big tax cuts.
The whole world economy is at risk. The IMF has warned that, just as the upswing in house prices has been a global phenomenon, so any downturn is likely to be synchronised, and thus the effects of it will be shared widely. The housing boom was fun while it lasted, but the biggest increase in wealth in history was largely an illusion.

terça-feira, fevereiro 01, 2005

João Duque, os fundos de investimento, a Ciência Económica e o F.C. Porto.
Ontem, dia 31 de Janeiro de 2005, fui a um seminário de investigação do Prof. Dr. João Duque. Tinha curiosidade em conhecer a personagem ao vivo, já que os únicos artigos que me dou ao trabalho de ler na sessão ecónomica do Expresso são precisamente os dele.
O seminário era sobre os efeitos que a entrada de empresas no índice principal português (PSI-20) tinha nos preços das mesmas.
O Prof. João Duque confessou-nos que a sua motivação para escrever o paper tinha sido uma situação que terá acontecido em 98. Quando o Totta saiu do índice referido em cima, era um papel extremamente ilíquido mas com um peso grande no mercado. Antes do dia da saída, alguém inundou o mercado ordens de venda arrastando o papel e o índice para baixo. O ganho estaria em lucros obtidos com uma operação no mercado dos derivados.
Depois o Prof. João Duque confessa-nos que aquelas coisas de fazer um paper podem parecer fáceis mas dão um trabalhão. É complicado escolher metodologia e dados. Aquilo demorou um ano a fazer
Vai daí, o Prof. João Duque resolve fazer uma análise das costumeiras em Economia para analisar o impacto da introdução de títulos nos índices. Resultado: Encontrou para lá umas regularidades. Como a amostra era pequena, diz-nos para ter muito cuidado com os resultados víamos diante dos olhos. Mas a evidência era que os títulos tendiam a aumentar com a entrada no índice e a diminuir com a saída do mesmo.
Perante alguns factos curiosos, ou situações menos fáceis explicar, o Prof. Dr. João Duque resolve exclamar: "Esses fundos de investimento são uns marotos..."
A minha pergunta é: Se o paper demorou tanto tempo a fazer (1 ano) para encontrar uma regularidade tão insignificante, porque não fazer algo sério e estudar os mecanismos e as manobras subterrâneas que se seguem a algumas destas admissões ao índice. Parece-me bastante mais interessante, do que o que vi. Nem que o trabalho incida sobre menos observações.
E onde encaixa o F.C. Porto, referido no título? No final da conferência pergunto ao Dr. Rui Couto Viana se não acha que o paper é perfeitamente inócuo. Ele responde-me: "O que é que você quer? Isto é um trabalho de Economia estatística. Vale pelo que vale. É óbvio que se fossemos fazer um trabalho da mesma espécie e quiséssemos tirar conclusões éramos levados a concluir que o Porto tinha que ganhar ao Braga. Eles já não ganhavam há 45 anos!!!"
Precisamente. A Economia é como o futebol não há vencedores e receitas antecipadas.

quarta-feira, janeiro 26, 2005

Acabei de ler o artigo do Geoff Harcourt na post-autistic economic review. Fiquei triste, porque achei que o jornal não foi usado para promover um ensino mais plural. O artigo para além de ter um título que é puro marketing:"What would Marx and Keynes have made of the happenings of the past 30 years and more?", é para mim, uma divulgação dos princípios Neo-Keynesianos.

De qualquer forma gostei desta observação:

"The proposals he "Keynes" put forward at Bretton Woods were designed to provide the institutions and the orders of magnitude of, for example, the provision of liquidity that would make all this possible. That the Americans, principally thorough Harry Dexter White, won out on both the institutions and the orders of magnitude adopted for the post-war period was a tragedy; for this ensured that the Bretton Woods system contained within it the seeds of its own eventual destruction from its very inception. (How Marx would have laughed!)

domingo, janeiro 23, 2005

"O problema desta medida é que são os consumidores que, ao pagarem mais pelos produtos das indústrias embrionários, financiam a sua viabilização. Ora, se uma indústria só é viável se os consumidores forem forçados a financiá-la e se os empresários não conseguem convencer os consumidores a ceder as suas poupanças livremente, então é porque essa indústria é mesmo inviável."

O fabuloso mundo de João Miranda...

Empresário de indústria nascente em país do sudeste asiático (EINSA) - Minha senhora, temos um projecto, que vai permitir o relançamento da Economia do nosso país, o Mirandestão. Contudo, como por enquanto ainda somos largamente ineficientes precisamos das suas poupanças, para podermos competir com os produtos internacionais.

Pobre camponesa analfabeta que vive com menos de 1$ por dia (PCA) - Mas o que é eu ganho com isso?

Empresário de indústria nascente em país do sudeste asiático (EINSA) - Bem, no futuro vamos beneficiar de Knowledge spill-overs e de processos de learning by doing e learning by using. Estes processos irão permitir à nossa empresa passar a ser eficiente e assim deixar de vos pedir as vossas poupanças. Esses ensinamentos para além de nos permitirem ser imensamente mais ricos, vão permitir aos seus filhos trabalharem num ofício menos duro e ter condições de vida, com que você nunca sonhará.

Pobre camponesa analfabeta que vive com menos de 1$ por dia (PCA) - Mas eu não quero o meu Zézinho, metido nessas modernices. Ele gosta é do campo. Essa gente da cidade... Para além do mais como é que eu tenho a certeza que você vai deixar de me pedir mais coisas...

Empresário de indústria nascente em país do sudeste asiático (EINSA) - É que a nossa estratégia prevê que dentro de pouco tempo nos abriremos à concorrência internacional, obrigando-nos esta, a sermos bons a fazer o nosso produto, só lhe vamos pedir o seu dinheirinho durante o tempo suficiente para dominarmos as máquinas que comprámos para produzir.

Pobre camponesa analfabeta que vive com menos de 1$ por dia (PCA) - Sabe... eu não posso largar as minhas escassas poupanças que já quase nem servem para aguentar um Inverno rigoroso... compreenda meu senhor.

Empresário de indústria nascente em país do sudeste asiático (EINSA) (pensando para ele próprio) - Bem... as pessoas recusam-se a dar dinheiro voluntáriamente, logo segundo o nosso grande líder, o meu projecto é inviável..., porra mas às vezes pergunto-me como é que na COREIA E NA FORMOSA E EM SINGAPURA E NA MALÁSIA conseguiram que os projectos fossem viáveis!!!!

quarta-feira, janeiro 19, 2005

O Bryan Caplan escreveu este artigo sobre a razão egoísta de ter mais filhos. A princípio ainda pensei tratar-se duma provocação, ou um daqueles joguinhos infantis que os economistas fazem e que consistem em ver tudo sobre o prisma hedonístico-racional.
Li segunda vez. E... fiquei com a sensação que ele está convencido da seriedade do argumento. Ri. Peguei em Smith e lembrei-me que:

a) o homem não é um maximizador, não suficientemente racional para conduzir as suas acções por meio de cálculos.
b) Não é suficientemente egoísta para dirigir a sua conduta de acordo com um bem que deseja maximizar.
c) Existe um senso de dignidade e de humanidade. (O Caplan pôe isto em questão indagando sobre qual a percentagem do rendimento pessoal que as pessoas têm dirigido para a tragédia da Ásia. Eu faço a pergunta de outra forma. Quantas terão sido as pessoas que terão ficado irritadas por verem seus governos a ajudar?)

Não é que o egoísmo e o auto interesse não estejam por lá. A questão é que não estão lá sempre, e muito menos numa decisão como a de ter um filho.


domingo, janeiro 16, 2005

Constatação
Já tinha reparado. Agora confirmei. Os meus colegas brasileiros têm uma facilidade impressionante em perceber alguns dos mecanismos mais comuns em Economia. Para eles o raciocínio sobre determinadas matérias é quase automático.
Balança de Pagamentos, desvalorizações da moeda, financiamento de défices por parte do Estado, Inflação... entre outros.
A necessidade dos "Futuros Economistas" brasileiros em compreenderem estes fenómenos, que para eles são coisas que pertencem à actualidade económica nacional torna-os mais capazes.
Os pobres "Futuros Economistas" Europeus envoltos numa atmosfera em que todas estas variáveis não parecem problemas de maior, ficam talvez menos atentos para a forma de funcionamento de certos mecanismos macro.
Eu, pelo menos, senti-me em desvantagem. Tinha que pensar o triplo ou quádruplo para chegar às conclusões que eles atingiam imediatamente.

segunda-feira, janeiro 03, 2005

Como é que chegamos a este estado de coisas?(1)
Sim, porque o mal não vem de raíz: "The over-weening conceit which the greater part of men have of their own abilities, is an ancient evil remarked by the philosophers and moralists of all ages. Their absurd presumption in their own good fortune, has been less taken notice of. It is, however, if possible, still more universal. There is no man living who, when in tolerable health and spirits, has not some share of it. The chance of gain is by every man more or less over-valued, and the chance of loss is by most men under-valued, and by scarce any man, who is in tolerable health and spirits, valued more than it is worth"
Smith, Adam in "Wealth of Nations Book I, cap 10"
Mais tarde chegámos ao paradigma do "Homo Oeconomicus", que domina 99% da análise microeconómica actual (porque não 99,9%). Adam Smith estava bem ciente que a natureza humana, não é tão simples.
Vou retomar o blog.
Plano de ataque: Referências às minhas leituras do Wealth of Nations, History of Economic Analysis e talvez alguns papers do Hyman Minsky.
P.S: mas não prometo nada, a minha natureza de preguiçoso é capaz de se sobrepôr.

domingo, agosto 08, 2004

Mão invisível.
É muito curioso verificar como o conceito de mão invisível emergiu e evoluiu ao longo dos tempos.
Adam Smith creditado como o pai da Economia, e inventor do referido conceito apenas se referiu a ele duas vezes (uma na TMS e outra no Wealth of Nations). O conceito teria conotações teísticas e significava apenas que é por obra e graça de DEUS que o Homem pretende enriquecer. Dessa forma permite também enriquecer os seus semelhantes.
A interpretação usual actual identifica a mão invisível com o mercado selvagem e não intervenção governamental na Economia.
À luz Smithiana do conceito, a interpretação corrente é perfeitamente abusiva.

sábado, agosto 07, 2004

Défice.
O problema fundamental é que uma intervenção governamental, qualquer que seja a forma que ela se reveste vai lançar sinais na Economia que por sua vez gerarão (re)acções dos agentes económico (pessoas) que se repercutirão durante anos e anos enquanto (pelo menos no prazo de uma geração) enquanto que a intervenção estatal à moda de Keynes está desenhada para resolver um problema de curto prazo, provocado pela falta de procura efectiva que é resultado da relutância das pessoas em participarem no processo económico (entesouramento).
Reparem que não estou a falar de coisas míticas, estou a falar das pessoas que decidem definir o seu percurso de vida de acordo com a esperança (sinal) de que o Estado lhes proporcionará emprego ou do futuro entrepreneur que decide investir nas obras públicas porque a rentabilidade que lhe é proporcionada é maior do que seria sem intervenção do Governo. Todos estes agentes estão a agir e a compremeter o seu presente e em parte o seu futuro, devido à acção governamental destinada a combater uma crise esporádica. Os futuros "desenhados" pela intervenção do Estado poderão ser uma forte força de bloqueio quando a crise esporádica tiver passado. Se olharmos para trás poderemos mesmo chegar à conclusão que a intervenção resolveu a crise de curto prazo, mas foi perniciosa no longo.

domingo, julho 25, 2004

Marx sentiria vergonha?

Não faço a menor ideia de onde surge a matriz ideológica actual do PCP.
Constato que não deve ser Marxista. São enormes as discrepâncias verificadas entre o discurso do partido e o pensamento de MARX. Veja-se:
1- Quantos de nós nunca ouviram alguém do PCP acusar o governo de dar demasiado importância às questões económicas? Arrisco responder. Ninguém. O caricato da situação é ouvir um comunista a criticar um seu adversário político de ser MARXISTA. Passo a explicar: Para MARX, são as relações de produção que se formam no âmbito do processo de produção, que determinam a estrutura económica da sociedade sobre a qual se elevam a superestrutura jurídica e política. Ou seja, é o processo produtivo que em última análise nos forma a maneira de encarar as coisas e desta forma condiciona tudo à sua volta.  Se isto não é dar muita importância às questões económicas...
2- O chavão da luta contra o grande capital. Na análise MARXISTA ( pelo menos na que decorre da sua teoria fundamental, “A interpretação económica da História”),  a revolução decorre da evolução das formas de produção. Citando MARX “Uma organização social nunca desaparece antes que se desenvolvam todas as forças produtivas que ela é capaz de conter...”. A evolução é a mãe do MARXISMO e a sua revolução nada tem a ver com a revolução do conspirador socialista. A acção humana não terá nela qualquer papel.
MARX percebeu que a sua teoria teria que explicar a realidade de então e mostrar porque é que haveria uma tendência para uma transformação radical das estruturas sociais. Aqui entra o Grande Capital que tem um papel essencial. MARX admite  que o aumento da acumulação de capital contribuirá para o acelerar da evolução das formas de produção e que o necessário aumento da acumulação trará consigo processos de concentração que por sua vez tornarão que fará diminuir o número de capitalistas e aumentar o proletariado. É exactamente esta a tendência que determinará o fim do capitalismo.
Ok... agora o curioso da questão... se o aumento do grande capital é essencial à revolução, se a acção humana não pode influenciar o curso dos acontecimentos, numa perspectiva MARXISTA, não será contraproducente lutar contra o grande capital?